.

ECONOMIA

Veja o que precisa para se inscrever no Minha Casa, Minha Vida

Publicado

em

Veja-oque-precisa-para-se-inscrever-no-Minha-Casa-Minha-Vida-.png

Ter o sonho da casa própria é muito comum entre muitos brasileiros. Assim o auxílio do governo para concretizar este sonho em muitos casos é preciso. Dessa maneira, o poder público ajuda essas pessoas pelo programa Minha Casa Minha Vida condições diversas para pessoas que possuem baixa renda conseguirem acesso ao seu próprio imóvel. Assim, nessa matéria você vai conhecer mais um pouco a respeito do programa.

No começo, você é necessário entender que o programa trabalha com quatro faixas de renda, que vai de R$1.800 a até R$9.000. Assim, cada uma destas faixas conta com ajudar e algum tipo de vantagem no financiamento.

No entanto, o programa tem a regra de que as parcelas não vão poder ser mais de 30% dos ganhos comprovados. Assim, não vai ser permitido a concessão do Minha Casa Minha Vida para aquelas pessoas que foi contempladas por algum outro programa de habitação social do governo anteriormente.

Assim, o Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS), poderá ser usado na entrada do imóvel ou para o pagamento de parcelas em atraso. Depois da assinatura do contrato, a primeira prestação terá vencimento para 30 dias. Portanto através do débito automático ou boleto bancário as parcelas do programa poderá ser pagas.

Faixas de renda

Faixa 1: renda familiar bruta (sem descontos) de até R$ 1.800

  • O governo arca com 90% do valor da propriedade
  • O restante 10% podem ser pagos em até 120 prestações mensais (dez anos), que variam de R$ 80 a R$ 270, sem juros
  • Valor máximo do imóvel: R$ 96 mil

Faixa 1,5: renda familiar bruta de até R$ 2.600

  • Subsídio de até R$ 47,5 mil para famílias que contam com rendimento bruto de até R$ 1.200
  • Para famílias com renda entre R$ 1.200 e R$ 2.600, o valor do incentivo vai sendo reduzido progressivamente
  • O valor restante é financiado pelo banco em até 30 anos, com juros de 5% ao ano
  • Valor máximo do imóvel: R$ 144 mil

Faixa 2: renda familiar bruta de até R$ 4.000

  • Para famílias com ganho bruto de até R$ 1.800, o programa arca com: R$ 29 mil de subsídio para casa em SP, RJ e DF; R$ 26.365 para imóveis na região sul do País e em ES e MG; R$ 23,2 mil para moradias nas regiões centro-oeste (exceto DF), norte e nordeste
    Para famílias com receita entre R$ 1.800 e R$ 4.000, o valor do custeio vai sendo reduzido progressivamente
  • O restante é financiado com taxas de 6% a 7% ao ano
    Valor máximo do imóvel: R$ 240 mil

Faixa 3: renda familiar bruta de até R$ 9.000

Para esta faixa, não existe subsídio, apenas são oferecidos juros menores em comparação aos cobrados pelos bancos.

  • A taxa é de até 9,16% ao ano
  • Valor máximo do imóvel: R$ 300 mil

Cadastro no Minha Casa Minha Vida

Dessa maneira, a relação a Faixa 1 vai ser preciso se inscrever na prefeitura mais próxima ou numa entidade organizadora para o inicio do processo de seleção.

Assim, as famílias que tiverem de acordo com as faixas, o financiamento vai poder contratar de forma direta na Caixa Econômica (CEF) ou no Banco do Brasil (BB), mesmo que a Caixa seja a responsável pela maior parte dos financiamentos.

Portanto, as instituições financeiras iniciaram sua análise de crédito para escolher um valor do subsídio a que a família tem direito e qual taxa de juros vai ser cobrada.

Destaque

Tecno Notícias