.

TECNOLOGIA

Substância brasileira é capaz de exterminar coronavírus dos tecidos

Publicado

em

Substância-brasileira-é-capaz-de-exterminar-coronavírus-dos-tecidos

Recentemente, Bill Gates escreveu em seu blog que esses tempos tem em comum com a guerra o desenvolvimento tecnológico e em distinção, o fato de todas potências brigarem pelo mesmo objetivo: superar a pandemia do COVID-19. Assim, seria inevitável que diversas iniciativas começassem a surgir com o intuito de contribuírem com sua parte. Dentre essas se encontra o Protec-20, que consiste em uma substância que tem a função de exterminar o vírus causador do novo coronavírus, o Sars-CoV-2. O produto é capaz obter sucesso de quase 100% contra os vírus que possuem uma membrana lipoprotéica. Conhecidos popularmente como envelopados, categoria qual o novo coronavírus se enquadra.

A empresa TNS é a responsável pela criação dessa substância que tem base nas nanopartículas de prata e consegue exterminar o vírus que estiver nas vestes de todos os envolvidos com hospitais. Assim, todos os tecidos, desde o jaleco de um médico até mesmo o forro de cama de um paciente poderiam ser limpos, fazendo com a que propagação do novo coronavírus seja diminuída

Ação dupla

Para além de eliminar os vírus presentes na superfície das roupas, o Protec-20 consegue impedir que bactérias se reproduzam. Essas que oferecem grande risco por serem portadoras do vírus em potencial, inibição essa que só é possível através da tecnologia de nanopartícula. O melhor de tudo é que com apenas uma lavagem há uma margem extremamente conservadora que aponta para o número de 20 lavagens, onde a substância permanece no tecido, portanto, realizando ambas atividades anteriormente descritas. Porém, de modo relativo à forma como foi aplicado, o Protec-20 pode resistir a até 70 lavagens.

O Protec-20 foi muito bem recebido pelas fábricas de tecidos, todavia isso não quer dizer que os demais setores não aderiram à tecnologia. Assim, pois até mesmo uma fabricante de sacos para comportar corpos já requereu o produto, sem contar as exportações para países como a Austrália.

Destaque

Tecno Notícias